Você está aqui: Página Inicial > GERENCIAMENTO DE PROCESSOS > Gestão de Processos no DNIT

Gestão de Processos no DNIT

por administrador publicado 17/05/2017 17h08, última modificação 17/05/2017 17h08

 gerenciamento de processos é um componente da estratégia organizacional adotado para a busca de níveis mais altos na excelência de gestão. A adoção das práticas de BPM – Business Process Method, visa estabelecer padrões e promover ganhos de produtividade para aumentar o nível de satisfação dos colaboradores e clientes, bem como promover um maior alinhamento de todas as unidades com a estratégia organizacional formulada. Além disso, estabelece os parâmetros para implantação de um ciclo de melhorias contínuas para as rotinas de trabalho, de modo que a organização incorpore, regularmente, novas práticas e inovações que a mantenham com elevados níveis de desempenho. Nos dizeres de Franz e Kirchmer, é:

“Disciplina de gestão voltada a traduzir a estratégia de negócios para o plano operacional, focalizando e convertendo os processos de negócio em reais ativos para a organização, tornando-os mais visíveis, transparentes e permitindo maior agilidade para adaptações”. 

Franz, P, Kirchmer, M.: Value-driven Business Process management – The Value Switch for lasting Competitive Advantage.

New York, e.a. 2012

Cadeia de valor

Conceito introduzido por Michael Porter, que enfatiza a necessidade de se otimizar atividades e processos para agregação de valor ao produto ou serviço fornecido para o cliente da organização.

Trata-se de uma representação gráfica em um modelo que visa sintetizar a organização segundo o arranjo de suas funções estruturantes, constituindo-se em um nível de observação em alto nível de um contexto organizacional a ser gradativamente decomposto, até que se alcance o entendimento dos processos de trabalho propriamente ditos.

Nesse sentido, tanto a organização como um todo, quanto qualquer de suas partes, podem ser representadas em cadeias de valores que particularizem os processos ali realizados, ou seja, os conjuntos de atividades que os definem. Assim, a cadeia de valor de primeiro nível expressa a visão mais elevada da organização, traduzindo suas grandes funções administrativas em macroprocessos que, ao serem detalhados, geram outras cadeias de valor (2°, 3°, 4° níveis, etc), que detalham as ações realizadas para o atendimento de objetivos específicos da organização.

É importante destacar que as cadeias de valor compõem-se de processos que perpassam a organização horizontalmente, não expressando as hierarquias de poder estabelecidas e que são usualmente traduzidas em organogramas de fácil entendimento pelos colaboradores e mesmo pelo público externo. Ao contrário, as cadeias de valor representam o encadeamento lógico das atividades desempenhadas, desde o surgimento das demandas até a produção dos resultados esperados, unindo todos os componentes organizacionais que concorrem para o alcance dos objetivos pretendidos, independentemente das relações de poder existentes entre as unidades que atuam nos processos contidos na cadeia de valor.

Cadeia de valor do DNIT:

Cadeia de Valor do DNIT

Clique aqui para ampliar a imagem.

 Macroprocesso

São agrupamentos lógicos de processos por meio dos quais pode-se observar a organização segundo arranjos que visam cumprir funções da organização específicas e importantes para o cumprimento de sua missão. Mantêm correspondência com os objetivos e atribuições das unidades organizacionais, desdobrando-se em níveis menores, onde se localizam os processos que os constituem e que expressam, em último nível, o conjunto de ações empreendidas pelas unidades envolvidas na execução.

Processo

Os processos são a unidade básica de trabalho da Gestão de Processos em qualquer organização. Entender seu significado e relevância é fundamental para desenvolvimento da cultura de melhoria contínua nas organizações, sejam públicas ou privadas. Assim como outras muitas expressões utilizadas nas organizações públicas (p.ex. estratégia, função), o termo processo, a priori, pode assumir entendimentos distintos daquele que se aplica ao contexto de gestão de processos organizacionais, onde é associado a rotinas de trabalho, atividades realizadas com finalidades semelhantes. Neste sentido, processo deve ser entendido como:

União de conhecimentos, recursos materiais, tecnologias, metodologias e pessoas, organizados segundo uma lógica particular para receber insumos específicos necessários para a execução de atividades inter-relacionadas e orientadas para produzir resultados previamente planejados, direcionados para outros processos da organização, para seus clientes e para a sociedade em geral.

Melhoria contínua

  • É um modelo de gestão orientado para processos, inspirado no ciclo básico PDCA que busca manter ativas e permanentes as iniciativas de gerenciamento e incremento dos processos de trabalho nas organizações.
  • Ciclo de melhoria contínua de processos

Indicadores

Indicadores são artefatos de mensuração que acompanham o progresso das ações empreendidas em uma organização em relação a objetivos e/ou metas estabelecidos, sejam no plano estratégico, tático ou operacional.

No plano da gestão estratégica, devem ser acompanhados ao longo do tempo para avaliar o índice de alcance dos componentes da estratégia formulada para a organização, possibilitando seu realinhamento.

No plano operacional, estabelecem de forma objetiva quais características devem ser acompanhadas ao longo do tempo para avaliar e melhorar o desempenho do processo.